Os fantasmas de Oz Perkins

imgpost_ozperkins

O background do diretor Osgood Perkins ou Oz Perkins, como é geralmente chamado, é muito peculiar. Neto do ator Osgood Perkins (de onde vem seu nome), rosto conhecido de filmes dos anos 30 como o clássico Scarface, e filho do icônico ator Anthony Perkins – o eterno Norman Bates de Psicose. Oz Perkins começou a atuar, como seu pai e seu avô, ainda pequeno, quando interpretou um jovem Norman Bates nos flashbacks de Psicose 2. Sua mãe, a fotógrafa Berry Berenson, atuou no Cat People de Paul Schrader (1982) chegando até a contracenar com o próprio marido e com atores como Jeff Bridges em outras produções. Já viúva em 2001, morreu no 11 de Setembro dentro de um dos aviões que se chocaram com o World Trade Center. Oz Perkins tem ainda um irmão mais novo chamado Elvis, nome que foi dado por Anthony Perkins, que era fã do cantor americano. Elvis Perkins hoje é cantor folk e também compôs para os dois filmes de Oz: A revelação February (re-entitulado como The Blackcoat’s Daughter), de 2015, e O Último Capítulo (I Am the Pretty Thing that Lives in the House, 2016), produzido pela Netflix.

É possível dizer que o ritmo lento e a subjetividade silenciosa dos personagens nos filmes de Oz Perkins condizem, inclusive, com a trilha – e, sem ela, não teríamos um resultado tão coerente. Satisfazendo ou não os olhares mais minuciosos ou as maiores demandas de entretenimento do gênero ao abraçar um estilo minimalista ou “moderno”, é inegável a qualidade do som tanto em February quanto em O Último Capítulo. Se um espectador não enxergar a beleza na composição das imagens ou na tentativa de construção de uma história por parte de Oz Perkins, o eficiente trabalho de seu irmão Elvis nas composições e as escolhas do supervisor e editor de som Zed Starkovich, por sua vez, se fazem ouvir.

img1

Essa eficácia que já se mostrou tão importante em obras como Cidade dos Sonhos (Mullholland Drive, 2001) de David Lynch – em sua parceria eterna com Angelo Badalamenti – é hoje, infelizmente, um dos elementos mais desprezados do cinema. Poderosa quando bem trabalhada, a trilha faz um pacto com a obra e é desse verdadeiro romance que nasce um filme de horror memorável. Quando a trilha vem recheada de culto ao pop, algo falha. Nem todos sabem utilizar a música comercial a favor do filme, como Tarantino e Danny Boyle conseguiram nos anos 90. Os filmes de Oz Perkins optam pelo caminho da produção original tanto em som quanto em imagem, nem que para isso corram o risco de falhar. E, no mínimo, o som faz de seus filmes dois presentes aos fãs da narrativa gótica no cinema.

img2

Para os aficionados pela literatura gótica e romances de mistério, O Último Capítulo é um prato cheio. É a clássica história de fantasmas por excelência. Não quer ser, em nenhum momento, uma história de grandes reviravoltas ou finais surpreendentes, como O Sexto Sentido (Sixth Sense, 1999) ou Os Outros (The Others, 2001); não quer também ser o filme de assombração do verão, recheado de jump scares. É, em estrutura e composição, um conto gótico de fantasmas. Para tanto, é preciso retomar as obras da literatura inglesa de 1800, dos pré-modernos, de Hawthorne a Irving, de Blackwood a Le Fanu. Da mesma forma, porém com uma estrutura moderna, February trabalha sobre as mesmas referências literárias, dando a entender que se trata de um filme de fantasmas aquilo que vem a se tornar uma obra de possessão demoníaca e assassinato. Muitas escolhas aqui relembram o mergulho no horror de Kiyoshi Kurosawa em Kairo (2001), também conhecido como Pulse. Embora esse filme tenha perdido sua eficácia após os estragos feitos pelas refilmagens americanas e pelo próprio abuso descontrolado do mercado japonês com o J-Horror, ele ainda é um exemplo de arte minimalista cujo resultado é, ao mesmo tempo, belo e assustador.

img3

Se tratando de beleza, Oz Perkins também entende que não só de ângulos e detalhes vive sua composição de imagem. A escolha das atrizes é sempre certeira e sua primeira demanda é visual. Não à toa, desfilam pela tela Lucy Boynton, Emma Roberts (Sobrinha de Julia Roberts, atriz de American Horror Story), Kiernan Shipka (Que interpretou Sally Draper em Mad Men), Erin Boyes, Ruth Wilson – e até mesmo para representar uma escritora idosa em O Ultimo Capítulo, Perkins tira da manga Paula Prentiss, linda atriz dos anos 60/70, como pode ser visto no cômico What’s new, Pussycat (1965) que leva o roteiro de Woody Allen e é estrelado por Peter Sellers. É fato ainda que, antes de Paula Prentiss, a aposta de Perkins era que Debbie Harry (Da eternizada banda new wave Blondie e do também eterno Videodrome de Cronenberg) atuasse no papel.

Voltando ao fantasmagórico, Oz Perkins destila uma saudosa melancolia pessoal em O Ultimo Capítulo ao inserir referências a seu pai ao longo do filme. A música de Dinah Shore que toca várias vezes (“You Keep Coming Back Like a Song”), além de fazer referência ao fantasma de uma lembrança que “continua voltando como uma música” – o que tem ligação direta com a forma como os fantasmas são encarados no filme, como uma vibração que emana da casa, como algo que está lá e nunca mais irá embora -, é uma canção famosa que já foi interpretada por Bing Crosby, Frank Sinatra e… Anthony Perkins. Ainda, durante uma sequência onde a personagem assiste a uma velha VHS, o filme exibido é Sublime Tentação (Friendly Persuasion, 1956), estrelado por… Anthony Perkins. E não dá pra ser mais fantasmagórico do que isso.

Saul Mendez Filho para o Gore Bahia, 11/11/2016

1 Comentário

  1. perkins here. i’d love an english translation of this if possible. thank you for your kindness.

    O P

    Curtir


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Manda uma ideia aí:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Follow GORE BAHIA on WordPress.com
  • Facebook

  • Instagram

    A gravata do Lloyd Kaufman não nega: Ele é fã do GoreBahia. Só não é esse fã todo do Lars Von Trier e seu Dogma 95! Muitas reflexões sobre fazer cinema no Brasil e o jeito Kaufman de fazer, sem dinheiro estatal! www.gorebahia.com link na bio.

#cinema #brasil #troma #lloydkaufman #dogma95 #larsvontrier Conheça CANIBAIS ( #TheGreenInferno ), o filme do diretor de O Albergue que demorou quase três anos pra ser lançado e nunca chegou no Brasil. www.gorebahia.com Link na bio. #cinema #horror #EliRoth Redescubra Black Mirror com suas referências analisadas detalhadamente, com atenção especial aos diretores de cada episódio em www.gorebahia.com, link clicável na Bio. #netflix #blackmirror #charliebrooker #twilightzone O minimalismo gótico de Oz Perkins e seus fantasmas chegou ao GoreBahia. Um dos representantes mais afiados do cinema moderno de horror americano, cujo trabalho mais recente pode ser visto no Netflix, e sobre o qual você pode saber tudo antes em www.gorebahia.com - Link clicável na bio. 
#cinema #ozperkins #horror #february #netflix #IAmThePrettyThingThatLivesInTheHouse #OUltimoCapitulo #TheBlackcoatsDaughter Começando a semana com uma extensa lista de filmes e muito trabalho pela frente! Como dizia #jacktheripper, vamos por partes... #colors #gore #horror #cinema O vizinho desse filme é um cara gente boa. Recomendadíssimo suspense da dupla Marcus Dunstan e Patrick Melton, o veredito em www.gorebahia.com - link clicável na bio. #horror #cinema #suspense #theneighbor
  • Twitter